Tags

, , ,

O carinho que recebi de uma amiga, veio com estes versos na capa:

“ O que não escrevi, calou-me.

O que não fiz, partiu-me.

O que não senti, doeu-me.

O que não vivi, morreu-se.

O que adiei, adeus-se.”

Affonso Romano de Sant’Anna.

Achei lindo!

Mas, como estou na fase de reescrever tudo, e a vida finalmente voltou a me dar folhas em branco, peço licença ao escritor,  para fazer uma adaptação dos versos para o meu momento:

Escrevo para não ser calada.

Faço para me sentir conectada.

Sinto, para que qualquer dor, enfim, passe.

Vivo, para que a paz triunfe.

`As vezes adio, porque em muitos casos, antes tarde, do que nunca.

Anúncios